Imprimir
PDF
Bons resultados começam a aparecer
Após apresentar resultado de estudos encomendado à consultoria especializada a Anfir começa a vislumbrar um novo cenário para seus produtos
 
Henrique Pátria
Segundo dados apresentados pela Anfir – Associação Nacional de Implementos Rodoviários no primeiro trimestre deste ano ainda foi registrado recuo na ordem de 26,82% em relação aos primeiros meses de 2016.
A indústria entregou ao mercado doméstico 11.445 unidades ante 15.640 registrados no primeiro trimestre de 2016.
Mesmo com este resultado negativo a entidade acredita que o percentual inferior ao registrado no bimestre recuo de 30,42% sobre janeiro e fevereiro do ano passado, ainda que muito pequeno já representa uma boa notícia. Explicando melhor o presidente da entidade Alcides Braga disse: “São os primeiros sinais de recuperação. Ainda é cedo para afirmar que esse ritmo vai se sustentar, mas eles estão aí”. Por estes primeiros resultados a Anfir está projetando um crescimento em 2017, na ordem de 10% sobre o resultado ao ano passado.
De janeiro a março as vendas de produtos do segmento de Reboques e Semirreboques foram de 4.905 unidades ante 6.150 produtos no primeiro trimestre de 2016. No setor de Carroceria sobre chassis as vendas no primeiro trimestre de 2017 foram de 6.540 unidades contra 9.490 produtos do mesmo período do ano passado. “O primeiro segmento a dar sinais de recuperação é o Pesado (Reboques e Semirreboques) porque está ligado aos setores da economia conectados aos grandes negócios nacionais como o agribusiness”, explica Braga.
Esta expectativa também é resultado das informações recebidas da consultoria Parallaxis para quem a Anfir encomendou um estudo para avaliar quais setores deverão apresentar melhor desempenho no processo de retomada. “Em um momento como o que a indústria atravessa é necessário ter algum norte”, explicou Mario Rinaldi, diretor Executivo da Anfir.
De acordo com o levantamento realizado pela consultoria contratada os setores que deverão influenciar na retomada são quatro: papel & celulose, por conta da demanda externa aquecida; mineração, influenciada pela recuperação no preço do minério de ferro; óleo & gás que apresentará um aumento na extração e o setor do agronegócio, onde a safra de grãos deve novamente superar as expectativas.